Ao se aventurar com o namorado pela Cordilheira dos Andes, Ludmilla sofre um acidente e acorda dias depois em um lugar estranho, sem o namorado e em meio a mulheres exóticas e misteriosas. Após descobrir que fora salva por alguém chamada por ‘bela’, fatos inusitados acontecem e ela se apaixonada pela tal mulher, vindo a descobrir de que se tratava de uma importante guerreira amazona.

APARECEU A MARGARIDA, OLÉ OLÉ OLÁ!

Gente, sério, nos últimos dias as coisas tem sido uma loucura. Tem umas fases na vida em que vamos apenas deixando a vida nos levar, vivendo um dia após o outro porque nossa energia tá pra menos de 5% e toda motivação pra outras coisas vai por água abaixo.

Andei me sentindo meio “uma mera peça nesse relógio” que é a vida e fui deixando de fazer coisas que eu gostava por estar cansada tanto física quanto mentalmente. Mas vamos correr atrás do prejuízo, né?

Seguindo a vibe de fantasia nacional (que parece que seguirei por um BOOOM tempo), resolvi pegar esse livro. Na época em que o escolhi pensei em comprá-lo, mas aí vi o preço que estava no site da editora, calculei o frete e percebi que não compensava gastar com isso, sendo que logo logo já sairá o terceiro livro. Compensa mais eu esperar e comprar o box com a autora.

Então acabei adquirindo os livros pelo Unlimited mesmo. Não é a mesma experiência de ter o livro nas mãos, mas dá pro gasto. Não consigo ler pelo Kindle PC, mas descobri que me desenvolvo mais na leitura lendo pelo celular, rs.

Como disse, falei que leria As Amazonas das Montanhas, mas acabei enrolando mais de um mês, que vergonha x.x

Como sempre digo nos posts, não sou especialista em crítica literária, esse blog serve apenas para compartilhar as experiências que tenho quando leio algo, então já sabem que nada aqui deve ser levado a sério até você ler por si mesmo.

SPOILER ALERT SPOILER ALERT SPOILER ALERT SPOILER ALERT SPOILER ALERT

 

Nos primeiros capítulos temos a protagonista, Ludmilla, sofrendo um acidente e sendo resgatada, para depois ser levada para o lar das amazonas. Lá ela conhece Kíria, que a salvou da morte.

A família da Ludmilla não é lá muito funcional, os pais vivem brigando, ela mesmo sendo rica não é feliz, encontra amparo somente na funcionária da casa, enfim o típico clichê que todo personagem adolescente passa nessa fase. Então ela fugiu com o namorado e ficou até incrédula quando ele a tentou matar.

Nesse período em que ela se familiariza com o ambiente novo, conhece mais da realidade das guerreiras e ao mesmo tempo se apaixona pela Kíria. Embora eu tenha achado que o romance se desenvolveu rápido demais, rs. Mas enfim, não sei se comigo seria tão rápido, afinal não sou eu quem estou no meio de tanta gente bonita XD Importante dizer aqui: Todo mundo quer pegar todo mundo. Todo mundo quer pegar a Kíria.

Mas claro que o choque de tanta informação nova dá um curto circuito na cabeça da pobre da protagonista e ela resolve ir embora. Ignorando total a coincidência divina de ela estar lá, da sensação forte de na vida passada já ter uma ligação com a Kíria, da descoberta recente que curte mulheres e coisa do tipo. No fim, ela acaba tentando voltar pra aldeia, e com isso acaba indo pra biblioteca pra pesquisar mais coisas pra ver se conseguia um jeito de voltar.

Nessa empreitada, ela conhece Dafne, uma mulher misteriosa que conhece bastante do assunto e a ajuda a voltar pras amazonas, mas antes a Ludmilla precisa convencer uma ex-amazona a voltar para junto das outras. Além de se envolver brevemente com a Dafne, a gente percebe que a mulher na verdade se chama Diouxie e é à ela que as outras guerreiras se referiam quando diziam que a filha da rainha estava numa missão para resgatar a mãe de sangue, que estava prisioneira de uns guerrilheiros na selva amazônica. No caso, a Diouxie foi resgatada pelas amazonas, então a rainha seria sua mãe de criação e coisa do tipo. Lembra quando disse que todo mundo quer pegar todo mundo? Pois é, todo mundo quer pegar a Diouxie também, se a Kíria tem uma beleza mais calma e carisma, a Diouxie tem um ar mais aventureiro e sensual. Inclusive a própria Diouxie não percebe que ama a Kíria até o final do livro, coisa que a gente já nota assim que ela aparece.

O que acontece é que essa tal ex-amazona, Giandra, que a Ludmilla precisa convencer a voltar era companheira da rainha (portanto isso a torna automaticamente segunda rainha), mas acabou se apaixonando por um cara e foi embora com ele depois que engravidou. Um tempo depois o cara morreu e ela não teve coragem de voltar. Diouxie então pensou em matar dois coelhos com uma pancada só, mandando a Ludmilla voltar com Giandra e sua filha, enquanto isso ela resgatava a mãe de sangue, Moana.

E temos mais uns conflitos amorosos de novo. Enquanto a Lud estava voltando pra casa, a Kíria acabou se envolvendo com uma outra amazona, Paola, já que né, não esperava que ela voltasse mesmo que quisesse muito. Paola sempre gostou da Kíria, e elas até namoravam até a Kíria conhecer Ludmilla, mas depois que a menina chegou bagunçou tudo. Sem contar que uma outra amazona, Gladis, tem umas ambições plausíveis (tipo a clássica “querer ser rainha”), mas os meios que usa pra consegui-las são escusas e se você no início detestava a Paola, no final da história até já simpatiza com ela, porque a Gladis praticamente a transforma em nada. O típico caso de relacionamento abusivo. Acaba que a Paola se envolve com a filha da Giandra, Joana e depois da Gladis quase matá-las, executam-na.

O que mais me irritou foram as brigas quase desnecessárias das protagonistas, caraca, que irritação que me dava. Faço das palavras da Paola as minhas, Ludmilla é muito egoísta e infantil. Cenas de ciúme que podiam ser facilmente resolvidas com uma conversa, se tornam uma verdadeira odisseia porque uma fica de vingancinha da outra. Claro que a Diouxie querer pegar a Ludmilla também só piora a situação, mas a gente vê o tempo todo que elas se amam, e as amigas da Ludmilla vivem dizendo pra ela resolver a situação e ela prefere ficar lá se martirizando, argh, odeio.

E como se não bastasse, elas precisam partir numa missão pra resolver uns guerrilheiros que estão próximos demais dos domínios das amazonas e precisam dar cabo deles logo, quem vai liderar a missão é Diouxie e é claro que a Ludmilla foi escalada pra ir, o que deixa a Kíria grilada porque teve umas visões de que a coisa ia acabar mal.

Bem em cima da hora, a Ludmilla percebe que foi uma anta (finalmente né, filha? Já tava passado da hora ¬¬) e corre atrás da Kíria que tava numa choradeira por causa dela e aí a gente percebe que realmente, aquele drama todo lá trás foi praticamente desnecessário. Se bem que todo protagonista precisa de defeitos, e os da Ludmilla cumpriram bem o seu papel, que foi encher linguiça até o momento da guerra.

Numa hora lá, as coisas estavam indo até bem, mas depois que uma delas foi capturada, precisaram pedir reforços e a Kíria foi escalada pra isso. Mas aí entra um problema, Kíria tinha ficado na aldeia justamente porque ela seria a próxima na linha de indicação da rainha. E como a Giandra já tinha uma filha, isso fazia da Joana de automático a indicação dela, mesmo não tendo muita experiência. (Era para ser a Diouxie no lugar da Kíria, mas ela mesma disse que entre reinar e lutar, ela prefere lutar).

No final das contas, Kíria abre mão do posto de rainha e é ordenada a ir até uma rainha-mor lá não sei aonde para buscar reforços. Além disso, a tal rainha disse entre outras palavras, que Kíria acabaria ficando em seu lugar um dia, que amazonas não deviam brigar entre si e coisa do tipo. Na hora crítica os reforços chegam pra Diouxie e tudo acaba bem. Pelo menos até a Diouxie dar pittí e começar a partir pra pancadaria, porque a Kíria queria se mandar dali com a Ludmilla pra outra missão dada pela rainha-mor. Foi aqui que fiquei com mais pena da Diouxie, ela tem uma baita ligação com a Kíria que nenhuma das duas entende direito.

No fim das contas, a história se resume a disputas por poder (internas, representadas por Paola e Gladis; externas, representadas pelas amazonas e pelos guerrilheiros), pelo menos uma pegação por capítulo (Representadas por Kíria e Ludmilla), além de uns momentos de drama que te fazem lembrar muito daquelas novelas mexicanas que passavam no SBT (representadas também pela Kíria e pela Ludmilla).

Como li pelo Kindle ficava um pouco perdida quando mudava um cenário para outro, então não considero isso um problema já que creio que na versão impressa não há esse pormenor. A revisão deixa escapar pouca coisa, mas dá para relevar.

A personagem que mais me liguei foi a Diouxie, não porque ela é ruiva, mas porque me identifiquei com a intensidade com a qual ela se devota às coisas, e depois a intensidade com a qual se ferra é equivalente ao esforço empreendido. Ludmilla é muito infantil pra mim, Kíria não fede e nem cheira e as outras amazonas também são muito legais ❤

Falando a verdade, queria que Diouxie e Kíria ficassem juntas, ambas pra mim funcionam melhor do que a Ludmilla, mas enfim, é a vida LOL

Já comecei a ler o segundo livro e ele começa com a chegada de duas primas, Lara e Sofia, que sobreviveram depois de caírem no mesmo desfiladeiro que a Ludmilla, os namorados delas morreram. Ao que tudo indica, Lara está grávida e tem um arzinho de preconceituosa e já foi até presa porque começou a causar. Sofia já está causando também porque está interessada em Diouxie e ficou com ciuminho quando a Diouxie começou as investidas pra cima da Yanka.

Já deixo claro que Sofia não é flor que se cheire, ela é tão curiosa que chega a irritar, e tão atrevida que já até roubou um beijo da Diouxie, mas na primeira oportunidade que teve já veio reclamar por ela estar “supostamente” investindo em duas ao mesmo tempo, sendo que foi a própria Sofia que inventou de beijá-la.

Enquanto isso, a rainha Karina está quase partindo dessa pra melhor, mas antes mostrou pra Kíria e Diouxie as pesquisas que fez durante toda sua vida, entregou o livro pra Diouxie e até o momento não sabemos direito o que é. Aparentemente uma revelação que vai superar a “engenharia masculina”, digamos, no sentido de mulheres só se reproduzirem porque precisam de uns genes deles.

Logo logo trago minha opinião sobre Amazonas das Montanhas #2, o segredo das guerreiras.

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s